10 vezes em que a imprensa errou tão feio que ficou bonito

Erros de português em placas e cartazes são comuns. Mas muito mais graves são os erros que são divulgados pela mídia. Jornais, principalmente, por serem uma peça de produção e consumo rápida, acabam por vir cheias de erros, mas em alguns casos, chega até ser engraçado, como esses abaixo:

1. Recado que ninguém viu.



2. Um vivo muito louco.


3. Uma viva mais viva ainda.


4. Testemunha da própria morte.


5. Não é isso que você tá pensando, papai.



6. Em 11 de março de 1996:


Em 12 de março de 1996:


Em 13 de março de 1996:


7. Reuniãozinha.


8. A sete léguas do chão.


9. Cadê a Camila?



10. “O nome do maestro Eleazar de Carvalho saiu grafado errado na edição de ontem à pág. 1-9 do caderno Brasil.”(5.jul.94)



Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »